10 de agosto de 2009

Instinto paternal

Se os três leitores deste blog têm uma família como a minha (o que alguns, de fato, têm), em determinados momentos de sua vida deverão responder a uma das perguntas abaixo, em festas ou eventos coletivos:

  • Quando Solteiro: "E aí, já está paquerando as menininhas?"
  • Início de Namoro: "Quando você vai trazer a sua namorada aqui? Nós estamos doidos para conhecê-la."
  • Namoro Sério: "Quando vocês vão ficar noivos? Você já está enrolando a coitada há muito tempo..."
  • Noivo: "Já marcaram a data do casamento?"
  • Casado Sem Filhos: "Quando vocês vão arrumar um menino?"
  • Casado Com Filho: "Já estão pensando num irmãozinho?"
  • Casado Com Filhos: "Já fecharam a fábrica ou estão pensando em arrumar mais um?"

Como ontem foi o Dia dos Pais, nada melhor que um evento em família para chegarem a você perguntando:

- E aí, vocês não vão arrumar um menino, não?

Bibo Pai & Bobi FilhoAcontece que nós optamos por não ter filhos. A Fernanda, inclusive, adora crianças, mas não quer ser mãe, apesar de ter descoberto um filho perdido na Jedicon Minas. Eu, por outro lado, não gosto tanto de crianças, mas, se me oferecerem uma à milanesa, tendo a não rejeitar. Além disso, eu não tenho instinto paternal. Na verdade, eu até tenho um instinto paternal, mas ele assemelha-se ao de um aerolito. A diferença é que o aerolito deixaria seus filhos brincarem com suas action figures. Eu não.

De qualquer forma, se algum dia nós mudarmos nossas cabeças e resolvermos dar continuidade à linhagem nerd iniciada com meu avô, eu pretendo, ao educar o pequeno nerd, ter uma clareza de ideias e objetividade semelhantes à de um colega meu, que travou o seguinte papo com seu filho:

- Pai, que fruta é essa?
- É uma ameixa preta, filho.
- Mas por que ela está vermelha?
- Porque está verde.

2 comentários:

José Guilherme Wasner Machado disse...

Minha experiência é exatamente igual. É impressionante como isso é comum em BH... não sei se é porque a capital mineira é o epicentro do cinturão da bíblia brasileiro. As pessoas simplesmente não admitem que você saia fora da curva normal. Se disser então que não vai ter filhos, só faltam te bater. Impressionante as coisas ofensivas que já tive que ouvir por conta disso.

Abraços!

Guilherme

Cláudia disse...

A Fernanda achou o permanente (amigo do Dani) perdido no JediCom e resolveu adotar.