17 de janeiro de 2012

Descobrindo BH - Mercado Central

Mercado Central BH
Alguns lugares da nossa cidade são tão característicos, que até nos esquecemos que eles existem. Passamos por eles, olhamos, mas continuamos nosso caminho.

Havia anos que eu não ia ao Mercado Central. Todo mundo que vem a BH ouve falar de lá e, inevitavelmente, acaba indo para comprar alguma coisa, principalmente queijo. Nos finais de semana o lugar fica lotado, com gente dos mais diversos tipos, e lá você encontra de um tudo. Pelo menos é o que dizem...

E foi exatamente por isso que voltei ao mercado, depois de anos. Precisava comprar uma coisa que não estava achando e imaginei que lá encontraria. Além disso, eu pensei que "o preço lá é melhor", mas não é que eu estava errada?

Mercado Central BH
Depois de passear um pouco e ser abordada pelos simpáticos donos das lojas, que me ofereciam de tudo um pouco, fui procurar um lugar para comprar o que eu tanto queria. Andei até cansar, e nada de achar. E olha que eu não estava atrás de nada tão diferente assim! Eu só queria uma moringa de barro, acreditam? Daquelas pequenas, para se colocar na pia da cozinha, e não achei de jeito nenhum. Me diziam que estava para chegar, mas era papo furado. Não tinha e pronto.

Sendo assim, fui bater perna mais um pouco. Vi uma loja com umas empadas lindas e feitas ali na hora. Parei e comprei para mim e para o Gu. Pedi a de frango e estava deliciosa, com recheio farto e a massa muito saborosa, leve demais. A do Gu eu levei para ele comer em casa, já que estava sozinha.

De repente eu vejo uma loja linda, cheia de coisinhas para decoração, e entrei para ver algumas coisas e aproveitar para tentar encontrar algo que havia acabado de me lembrar que queria: um difusor de essência elétrico. Você o pluga na tomada, despeja umas gotinhas da essência e o aroma vai saindo devagar, até secar. Eu tenho um e queria outro, para deixar a casa bem cheirosa.

Mercado Central BH
A dona da loja logo veio ao meu encontro e começamos a conversar. Êita mulher boa de papo! Uma simpatia em pessoa, me mostrava as novidades e falava de tudo com um amor tão grande. Ficamos mais de uma hora conversando!

Quando perguntei o preço do difusor elétrico, me assustei quando ela falou: quase o dobro do que eu havia pago no anterior! Aí eu a questionei a respeito, e comentei que "eu achava que no Mercado Central ia encontrar coisas bem mais baratas, mas estou vendo que estou errada". Ela respondeu que isso era lenda, e que depois da reforma do mercado o aluguel do metro quadrado está mais caro que na Champs-Élysées, em Paris. Daí os preços altos. É claro que isso deve ser um pouco de exagero, mas o fato é que as coisas estão meio caras sim.

Acabei, por fim, levando mais algumas coisinhas, porque estas sim só encontrei lá, mas o fato é que o Mercado Central, apesar de ser um dos lugares mais tradicionais de BH, ainda tem muito que melhorar. A questão dos animais presos em gaiolas apertadíssimas sempre foi criticada, mas ainda existe. O cheiro nessa parte é horrível, e acho que esse tipo de coisa não deveria existir num lugar onde se comercializam alimentos. Todavia, o bom humor dos feirantes, a atenção dada aos clientes e a variedade de coisas que o mineiro gosta são, sem dúvida, bons motivos para fazer com que o mercado esteja sempre cheio de gente, sejam turistas ou locais.

Serviço:

2 comentários:

Fabiano G. Souza disse...

Pena que o local tem se descaracterizado. Já esta cheio de lojas de produtos para musculação. Até loja de eletrodomestico ja tem lá dentro. :(

Lucaino Davini disse...

O Mercado Central realmente é um lugar muito bacana. Gostei muito da foto das pimentas, mas acho que faltou uma que mostrasse a variedade das cachaças mineiras.