21 de maio de 2013

Descobrindo Paris - Cathédrale Saint-Louis des Invalides e Torre Eiffel

Casal Geek Eurotour 2013 - Descobrindo Paris - Cathédrale Saint-Louis des Invalides e Torre Eiffel
Meu irmão, um fã de armas e tudo relacionado ao assunto, e o Guilherme, que descobri ser um fã de filmes e séries sobre a Segunda Guerra, nos recomendaram uma visita ao Musée de l'Armée, que eles haviam conhecido em suas passagens por Paris. Como já havíamos planejado uma ida à Cathédrale Saint-Louis des Invalides, não foi esforço nenhum incluir uma parada no museu após o almoço.

No meio do caminho estava prevista uma rápida parada na Chapelle Notre Dame de la Medaille Miraculeuse para comprar lembrancinhas pra mãe, avó, tias e companhia limitada. O que não prevíamos, entretanto, foi uma "passadinha" no famoso Bon Marché, localizado praticamente em frente à capela, na esquina da Rue de Sèvres com a Rue du Bac.

Se por um lado foi bom, porque a chuva havia acabado quando saímos do centro comercial, por outro essa parada não nos ajudou muito no quesito tempo, pois chegamos à Cathédrale Saint-Louis des Invalides por volta das 16h30, bem próximo do seu horário de fechamento.

Cathédrale Saint-Louis des Invalides
A catedral, também conhecida como Église du Dôme, é uma construção imponente, cuja cúpula dourada pode ser vista à distância. Lá repousam heróis de guerra franceses, sendo Napoleão Bonaparte o mais notável deles. O acesso ao museu e à catedral é pago, mas com o Paris Museum Pass a entrada é "gratuita".

Apesar da grandiosidade da catedral e da imponência dos túmulos, uma visita ao panteão militar é rápida. Assim, em pouco menos de 15 minutos estaríamos nos dirigindo ao Musée de l'Armée, se ele não estivesse fechando... O jeito então foi tomar rumo ao último destino daquele dia de andanças por Paris, a Torre Eiffel.

Torre Eiffel
A Torre Eiffel é um dos pontos turísticos mais famosos do mundo e dispensa apresentações, mas, como diria a Fernanda, você só tem certeza de que está em Paris quando está de frente para ela.

Com dois dos elevadores desativados, as filas para subir na torre estavam gigantescas. A previsão de espera ultrapassava uma hora, e o cansaço do dia nos motivou a voltar ao hotel. Na caminhada de volta atravessamos a Place de la Concorde em meio a um trânsito intenso e caótico digno de um fim de tarde nas grandes cidades brasileiras, e passamos em frente ao Musée du Louvre ainda cheio de vendedores ambulantes. Só que esse era um lugar que visitaríamos apenas no dia seguinte...

- Ouvindo: The Barr Brothers - Beggar in the Morning

Um comentário:

Eliany disse...

Garanto que o primeiro pensamento da Fernanda, em frente a Torre Eiffel foi: "A Eliany devia estar aqui...."