18 de dezembro de 2013

Descobrindo Lisboa - Dicas e Considerações Finais

Casal Geek Eurotour 2013 - Descobrindo Lisboa - Dicas e Considerações Finais

Originalmente passaríamos todo o período de nossa viagem em Portugal, rodando pelo país. Só que acabamos incluindo Paris no roteiro, e com isso limitamos nossas andanças a Lisboa e região, para a qual reservamos 10 dias.

O que fazer?

Parque das Nações, Lisboa

Lisboa é uma cidade grande, com muita História para contar, pois muitos são os monumentos que remontam à Idade Média. O moderno também se faz presente, como no Parque das Nações, onde o Oceanário está localizado, mas o charme da capital está em suas ladeiras de casarões antigos pelas quais o elétrico 28 sacoleja.

Como obrigatória, eu destacaria uma visita à região de Belém, à qual voltamos no nosso último dia em Lisboa, e pelo menos um dia na bela Sintra. Évora, pela distância, eu só recomendo a quem pode passar pelo menos uma noite na cidade, pois uma passagem às pressas pela capital do Alentejo deixa muita coisa de fora.

Onde ficar?

Avenida da Liberdade, Lisboa

Lisboa possui várias linhas de metrô que, associadas aos elétricos e ônibus, facilitam o acesso a vários pontos da cidade. Pela proximidade de uma estação de metrô e por ser um ponto bem central em relação aos que planejamos visitar, nos hospedamos em um hotel próximo à Praça Marquês de Pombal. Além da facilidade do metrô, a região está a pouco mais de 6,5 Km do aeroporto, o que dá aproximadamente de 15 minutos de trajeto.

Onde comer?

A memorável Tosta de Frango do Lighthouse
A memorável Tosta de Frango do Lighthouse

Além do Carvoeiro, ao qual voltamos no último dia de nossa viagem, recomendamos tanto pelo atendimento quanto pela comida:

  • Lighthouse: localizado na Marina da Expo, é um bar coxinha moderno no qual almoçamos após nossa visita ao Oceanário. Para o almoço havia uma opção de buffet livre, mas optamos por uma deliciosa Tosta de Frango que dá saudade até hoje.
  • Eataly: localizado no Centro Comercial Colombo e com lojas em outros pontos da cidade, é um restaurante italiano que não faz feio. Além das pizzas, a Fernanda recomenda o Panzerotti di Ricota e eu a tradicional Lasanha a Bolonhesa, que estava bem boa.
  • Block House: steak house que descobrimos por acaso em um dia de andanças preguiçosas pelo Amoreiras Shopping Center. Para o almoço, a Fernanda pediu as Spare Ribs enquanto eu escolhi o New York Cheeseburger. Por incrível que pareça, o coleslaw fez tanto sucesso quanto os pratos.

Onde não comer?

Graceland, do Great American Disaster, uma prova de que imagem não é tudo
Graceland, do Great American Disaster, uma prova de que imagem não é tudo

É meio complicado criticar um lugar, pois uma experiência ruim pode não refletir o padrão de qualidade do estabelecimento. De qualquer forma, nós evitaríamos:

  • The Great American Disaster: burgueria no estilo das lanchonetes americanas dos anos 50. Atendimento ruim e comida ruim - onde já se viu hambúrguer com nervos? - fazem juz ao "grande desastre" do nome.
  • Bella Lisa Elevador: localizado em um ponto estratégico, ao lado do Museu Arqueológico do Carmo e com o Elevador de Santa Justa praticamente na porta, esse restaurante italiano decepcionou por uma comida sem graça, apesar do bom atendimento.

Quando ir?

Rua Augusta, Lisboa

Estivemos em Lisboa no final de fevereiro, e pegamos tanto dias com chuva quanto dias de céu azul e sem nuvens. Talvez pela baixa temporada, encontramos a cidade em obras. Muitas obras. O belo Arco da Rua Augusta, inclusive, estava em reforma, o que tirou bastante a graça de um passeio pela Praça do Comércio.

O Lisboa Card

Lisboa Card

Com uma ideia semelhante ao Paris Museum Pass, o Lisboa Card oferece entrada gratuita ou desconto no bilhete de vários museus e monumentos de Lisboa e região.

Entretanto, a grande vantagem do cartão é que ele funciona como um passe livre para o transporte público (metrô, elétricos e ônibus) durante as horas nas quais ele é válido. Até mesmo uma viagem de trem a Sintra ele possibilita.

O Lisboa Card vem em 3 "sabores": 24 horas, 48 horas ou 72 horas. A partir da primeira vez que você o utiliza, essas horas passam a valer. Assim, é muito importante ficar esperto com o horário de validade do cartão, pois ele conta, inclusive, para o desembarque em Sintra, por exemplo. Ou seja: uma vez vencido o período de utilização do Lisboa Card, você não consegue deixar a estação de trem, já que seu cartão não é mais válido.

O Cartão Viva Viagem

Cartão Viva Viagem

O Viva Viagem é um cartão que dá acesso à rede de transporte público em Lisboa e região. Ele custa 0,50€ e deve ser carregado para uso no metrô, elétricos, ônibus e trens urbanos (comboios). Para quem pretende utilizar bastante o transporte público durante um dia, a melhor opção é carregá-lo com o valor referente ao Bilhete 24 Horas, mas este só vale a pena se você fizer, com os valores atuais, mais de quatro viagens de metrô, por exemplo.

Até mais, e obrigado pelos peixes!

Praça do Império, Lisboa

Lisboa é uma cidade bem bacana, muitas vezes relegada ao segundo plano durante uma viagem à Europa em função de "concorrentes" como Paris ou Florença. Entretanto, quem se "arrisca" a visitar a capital portuguesa acaba encontrando belos monumentos, um povo simpático e muita História. Aliás, não só a História de Portugal, mas a nossa História também, por que não?

- Ouvindo: Grizzly Bear - Yet Again

Nenhum comentário: