19 de outubro de 2020

Mythic GME + Cthulhu Dark (Final)

Mythic GME + Cthulhu Dark (Final)

Anteriormente…

Na parte final dessa aventura solo de Cthulhu Dark + Mythic, o detetive da Polícia Civil Magnus Giordano segue para o Sítio Trilha Ametista Amarela, onde pretende encontrar Flávio Veiga e Sérgio Pessoa, dois ambientalistas supostamente desaparecidos na cidade de Redenção, ao sul de Minas Gerais.

NEW SCENE (CUSTOM)
    SCENE DESCRIPTION: Magnus segue para o Sítio Trilha Ametista Amarela na companhia de Gabriela

CHAOS FACTOR: 8

O sítio fica a uns 30 minutos da cidade e é acessível por uma estrada de terra não sinalizada, onde se vê muitos veículos estacionados. Já está escuro quando Magnus e Gabriela chegam ao local.

FATE CHART QUESTION: "Existe alguém na entrada do sítio?" » RESULT: EXCEPTIONAL YES

Ao chegar à entrada do sítio, Magnus é saudado por Paulinho, o homem que acompanhava o prefeito:

— Paulinho: Magnus e Gabriela! Que bom que vieram para a festa! Tem uma vaga ali na frente, onde você pode estacionar.
— Gabriela, se dirigindo a Magnus: Não sabia que você conhecia o filho do prefeito.
— Magnus, para Gabriela: E eu não sabia que ele era o filho do…

Antes de conseguir terminar a frase, MagnusGabriela abrir a porta do carro e correr para dentro do sítio. Sozinho, ele conduz o veículo para o local indicado para estacionar. De volta à entrada do sítio, o detetive encontra novamente o filho do prefeito:

— Magnus: Eu ouvi falar que ninguém da família do prefeito participava dessa festa…
— Paulinho: Meu pai é contra mesmo, mas as coisas precisam mudar, evoluir!
— Magnus: Entendo.
— Paulinho: Vamos entrar?
— Magnus: Vamos.

Passando pela porteira, Magnus vê um cachorro mordendo a própria pata; ele para, olha desinteressado para os homens que passam e volta a fazer o que estava fazendo. No gramado em frente a um casebre bastante rústico podem ser vistos muitos outros veículos e, mais adiante, além do casebre, é possível ouvir pessoas cantando e ver o clarão de uma grande fogueira.

NEW SCENE (CUSTOM)
    SCENE DESCRIPTION: Festa de Santo Alberto

CHAOS FACTOR: 8

Em meio ao estacionamento improvisado na entrada do sítio, Magnus vê um poste no qual foi pendurada uma grande reprodução da gravura medieval que decorava o panfleto da festa; em uma das paredes visíveis do casebre, o detetive consegue ver uma pintura rústica semelhante à que vira na pousada e, de um rio colorido de amarelo. Desta vez, entretanto, a cena mostra também uma fogueira no meio da cena, com uma sombra se erguendo ao fundo.

Teste de Insanidade:
    - Dado de Insanidade: 3
    - Resultado: FALHA. A vivacidade no olhar penetrante do homem em vestes eclesiásticas, os cânticos, a lembrança do bilhete deixado por Sérgio, a imagem da sombra que se ergue na pintura do casebre... Tudo isso gera uma ansiedade muito grande em Magnus, que sente seu corpo paralisar.

INSANIDADE: 2

— Paulinho: Alguma coisa errada, Magnus?
— Magnus: Não, nada não… Só me senti um pouco tonto… Tenho a impressão de já ter visto essa pintura antes.
— Paulinho: Essa pintura é obra do Olavo, o dono da pousada Estrela Lunar. Acho que você ainda não o conheceu.
— Magnus: Não, não nos conhecemos não…

Enquanto conversam, um homem de meia idade aproxima-se de Magnus e Paulinho, com uma caneca na mão. Ele é sorridente e bastante simpático:

— Olavo: Magnus, eu sabia que você viria!
— Paulinho: Magnus, esse é o Olavo, dono da pousada Estrela Lunar e líder da nossa congregação.
— Magnus: Uh… muito prazer.
— Olavo: O prazer é todo nosso! Infelizmente, por conta das nossas festividades, eu não pude recebê-lo hoje mais cedo na pousada, mas imagino que conseguiu encontrar o que procurava, já que está aqui agora…
— Magnus: Bom…
— Olavo: Cidade pequena, Magnus. Nós sabemos de tudo aqui. Além disso, os astros nunca estão enganados, e aqui está você!
— Paulinho: Um de nós.
— Magnus: Hã?
— Olavo: Um de nós.
— Magnus: Mas…
— Olavo: Seu pai iria ficar orgulhoso!
— Magnus: Você conhecia meu pai?
— Olavo: Tudo a seu tempo, meu amigo. Essa conversa podemos ter outro dia, mas agora apenas tome esse chá; eu ouvi você comentar que tinha se sentido tonto.

A bebida tem um gosto muito amargo, mas a sede e a ansiedade de Magnus não o impedem de tomá-la até o fim.

— Olavo: Venham, está chegando o momento mais importante da festa!

Magnus sente as pernas amolecerem; seu corpo não responde, mas a mente está totalmente ativa e alerta. Paulinho e outro homem seguram o detetive antes que ele caia, e o conduzem para além do casebre, chegando a um grande terreno em declive que termina na margem do rio. As imediações do casebre estão cercadas de barracas, como um campo de refugiados; uma grande fogueira arde em frente ao rio, com pessoas formando um semicírculo em volta dela.

Ao ser trazido para próximo da fogueira, MagnusGabriela entre as pessoas que formam o semicírculo. Todos estão em silêncio, aguardando a chegada de Olavo

— Olavo: Saudações, meus fieis! Chegou o grande momento das nossas festividades! E hoje, nessa data especial, mais um se junta a nós!

As pessoas batem palmas…

— Olavo: Samuel, busque a nossa oferenda deste ano!

Um homem deixa o semicírculo e dirige-se ao casebre. De lá volta com Flávio amarrado, sem ferimentos aparentes. Magnus tenta sacar sua arma para intimidar a multidão:

Teste de Intimidação:
    - Dado Humano: 3
    - Dado Ocupação: 2
    - Dado Desafio (Cultistas): 5
    - Resultado: FALHA

Desajeitado e sem controle do próprio corpo, Magnus tenta sacar sua arma, mas ela cai no chão.

— Olavo: Acalme-se, meu caro. O que você pretendia fazer? Atirar em todos nós? Mesmo que tivesse balas suficientes, o poder de Gaab seria ainda maior!

Magnus não tem mais forças para reagir, e assiste passivamente Flávio sendo conduzido até a fogueira. O líder ativista, quando cruza olhar com o detetive, aparenta tranquilidade e caminha sem resistência.

— Olavo: Chegou a hora!

As pessoas do semicírculo voltam a cantar, um lamento lento e melancólico, enquanto oscilam de um lado para o outro. Flávio segue caminhando sozinho para a fogueira, como em transe, e joga-se nas labaredas. O rio então começa a borbulhar, como se a água estivesse fervendo; a fumaça sobe, mais espessa, e o fogo aumenta. Sem mais nem menos, o rio fica dourado.

Teste de Insanidade:
    - Dado de Insanidade: 1
    - Resultado: SUCESSO

INSANIDADE: 2

Se o que estava vendo agora era apenas o reflexo da fogueira na água ou se o rio realmente tinha atingido aquele estado de transformar-se em ouro, nada mais importava para Magnus, que agora sentia-se sereno. Será que a bebida havia anestesiado sua mente? Nada mais importava…

As pessoas do semicírculo agora oscilavam de forma mais violenta, e também entoavam seu cântico mais alto, quase gritando. Para além da fogueira, junto ao rio, Magnus parecia estar vendo um vulto de aproximadamente 3 metros de altura. Não é possível distinguir direito a sua forma, mas a cena o remete à sombra que viu pintada na parede do casarão.

Teste de Insanidade:
    - Dado de Insanidade: 3
    - Resultado: FALHA. Magnus começa a tremer violentamente, em choque.

INSANIDADE: 3

Magnus sente sua mente sendo invadida por uma voz demoníaca, o chamando:

— Gaab: Magnus… Magnus… Venha até mim. Alimente as minhas chamas. Una-se a mim!

Teste de Vontade:
    - Dado Humano: 4
    - Dado Desafio (Gaab): 6
    - Resultado: FALHA

Magnus sente o corpo voltar a responder e corre em direção ao fogo, mas Samuel o impede de lançar-se na fogueira. Paulinho também corre para segurar o detetive, que debate-se muito enquanto é arrastado para longe das chamas.

Olavo aproxima-se então de Magnus, que ainda está muito nervoso, coloca a mão sobre sua testa e, em tom tranquilizador, sussurra ao seu ouvido:

— Olavo: Está tudo bem agora. Você é um de nós.

= FIM =

Nenhum comentário: