6 de novembro de 2020

A Herança de Cthulhu

A Herança de Cthulhu

Como eu já comentei antes, um dos meus pontos fracos é o horror lovecraftiano. Então, quando o Jefferson Pimentel anunciou o início do financiamento coletivo de A Herança de Cthulhu, minha reação foi igual à de quando soube do projeto para a primeira edição brasileira de Call of Cthulhu: “Shut up and take my money!”

Com versões em português de Call of Cthulhu e Trail of Cthulhu, por que apoiar um RPG nacional de horror lovecraftiano? Os motivos foram vários:

  • o jogo tem uma modalidade solo;
  • o autor é membro da comunidade RPG Solo, onde ele pode ser encontrado para trocar ideia e/ou tirar dúvidas;
  • o jogo é “irmão” de Vampiro: Sozinho na Escuridão, um título querido entre a moçada da já citada comunidade do Facebook;
  • em vez de colocar os jogadores no papel de investigadores que tentam impedir a volta dos Grandes Antigos, o jogo se passa em uma realidade pós-apocalíptica na qual Cthulhu voltou, uma premissa até então inédita nos RPGs de temática semelhante já publicados em Pindorama no Brasil;
  • horror lovecraftiano é um dos meus pontos fracos, já falei.

A Herança de Cthulhu é, em essência, um hexcrawl baseado nas mesmas regras simples e concisas de Vampiro: Sozinho na Escuridão. O sistema pode ser jogado no tradicional modo guiado, mas a grande quantidade de tabelas aleatórias deixa claro que o foco está em partidas sem mestre, tanto solo quanto cooperativas.

Actual Play de 'A Herança de Cthulhu'

Em vez de escolher um dos vários cenários disponíveis no livro, todos eles bem conhecidos dos leitores de Lovecraft, achei que seria interessante situar minha primeira aventura de A Herança de Cthulhu em Paris; meu mapa ficou totalmente fora de escala e, portanto, bem longe de estar preciso, mas deu pra ter uma Île de la Cité com uma Notre Dame em ruínas e uma área de Carcosa centralizada na Place du Trocadéro, próxima à Torre Eiffel.

Se algum dos três leitores desse blog tiver interesse de conferir o actual play dessa partida de A Herança de Cthulhu, a transcrição está aqui.

- Ouvindo: Karim Ouellet - Catastrophe

Nenhum comentário: