31 de outubro de 2020

Actual Play - Perdido nas Profundezas

Perdido nas Profundezas
"Eles tomaram a ponte e o segundo salão. Nós obstruímos os portões, mas não podemos segurá-los por muito tempo. O chão treme. Tambores. Tambores nas profundezas. Não podemos escapar. Uma sombra se move nas trevas. Não podemos escapar. Eles estão vindo!"

Escrito por Diogo Nogueira, Perdido nas Profundezas é um RPG Solo de horror e sobrevivência inspirado na história dos anões que tentaram recolonizar Moria. O jogo baseia-se no sistema Wretched & Alone, desenvolvido por Chris Bissette para seu RPG The Wretched.

23 de outubro de 2020

2d6World Solo: Screams of the Children

2d6World Solo: Screams of the Children

Para testar uma aventura pronta em modo solo, escolhi o cenário Screams of the Children do Cthulhu Dark, mas me rendi aos movimentos do 2d6World para resolver as ações da personagem; para emulação do mestre, em vez de apelar novamente para o Mythic, usei os oráculos do 2d10Solo.

Para incorporar elementos aleatórios na história, adotei inicialmente uma mecânica semelhante à do Miso RPG citada pelo Tarcísio Lucas nesse vídeo, de estabelecer duas opções: Opção A (elemento da história como no original) e Opção B (elemento da história em versão alternativa); rolando dois dados, um para cada opção, o de maior valor determinava a “verdade” da história. A partir da quinta cena, em vez de seguir com essa mecânica de duas opções, eu passei a utilizar o Teste de Distorção criado pelo camarada do canal RPG Tips, que é mais complexo, mas rendeu resultados interessantes.

Por fim, quando um movimento do 2d6World levava a perguntas para as quais não havia resposta no texto original, houve momentos em que eu segui com o que parecia mais lógico e, quando a inspiração faltava, usei uma mecânica que o Tiago Junges mostra nesse vídeo, de sortear frases em um livro de temática semelhante à da aventura.

Embora a história tenha seguido bem próxima da original, o emulador de mestre gerou situações bem interessantes e, no final, a experiência não poderia ter sido mais lovecraftiana. Se um dos três leitores desse blog tiver interesse de conferir o actual play transcrito, ele está aqui, mas vale um aviso: os spoilers do cenário correm soltos!

- Ouvindo: Josh Cohen - Man of War

22 de outubro de 2020

Aventuras Prontas em Modo Solo

Aventuras Prontas em Modo Solo

Existe um zilhão de sistemas de RPG por aí, com uma infinidade de aventuras prontas publicadas, mas a maioria absoluta dessas aventuras foi escrita para o mestre de jogo. Em modo solo, pode-se jogá-las da forma como foram escritas, mestrando para jogadores emulados, ou conduzindo um personagem pela trama planejada, com o auxílio de um tradicional emulador de mestre; o problema da segunda opção é que evitar spoilers é uma tarefa praticamente impossível.

21 de outubro de 2020

Actual Play - Dominus Twin Peaks

Actual Play de Dominus Twin Peaks

Aproveitando a data em que Twin Peaks estrou na TV, há 30 anos, peguei uma boa xícara de café e, mesmo faltando uma fatia de torta de cereja, fui jogar uma partida solo do meu Dominus Twin Peaks.

Rolando na tabela de Arquétipos, tirei Médico e, em vez de colocar o tranquilo Dr. Hayward em ação, me pareceu mais interessante criar um personagem do zero. Assim nasceu o Dr. Thomas Collins, um médico que trabalha no Calhoun Memorial Hospital.

20 de outubro de 2020

Revisitando Twin Peaks… pelo RPG

Revisitando Twin Peaks… pelo RPG

“There are many stories in Twin Peaks — some of them are sad, some funny. Some of them are stories of madness, of violence. Some are ordinary. Yet they all have about them a sense of mystery — the mystery of life. Sometimes, the mystery of death. The mystery of the woods. The woods surrounding Twin Peaks.”

Eu tenho alguns pontos fracos: Star Wars, o horror lovecraftiano e, principalmente, Twin Peaks. Gosto tanto da série, que sempre acabo priorizando jogos — ou quadrinhos, ou séries, ou filmes, etc. — em que ela é citada como inspiração. Assim, quando saí da minha hibernação rpgística, nada foi mais natural do que procurar sistemas e/ou cenários influenciados pela criação de David Lynch e Mark Frost.

13 de outubro de 2020

Cthulhu Dark + Mythic Game Master Emulator

Cthulhu Dark + Mythic Game Master Emulator

Como comentei antes, para desenvolver (e entender) melhor as motivações de Magnus Giordano, um NPC importante da aventura de Cthulhu Dark que eu e Fernanda estávamos jogando, recorri ao próprio Cthulhu Dark novamente, mas em modo solo com apoio do Mythic Game Master Emulator.

Como não sabia por onde começar, recorri a um evento aleatório do Mythic:

RANDOM EVENT:
    [ EVENT MEANING » EXPOSE : STATUS QUO ]
    [ EVENT FOCUS » NEW NPC, TARGET » NO TARGET ]

12 de outubro de 2020

Visual Mythic Game Master Emulator

Visual Mythic Game Master Emulator

Quando comecei a programar, no final do século passado, consegui unir o útil ao agradável desenvolvendo um gerador de personagens de AD&D na linguagem que eu estava estudando na época. Por me encontrar em uma situação semelhante, de estar estudando uma nova linguagem de programação no momento em que conheci o Mythic, minha primeira ideia foi implementar uma versão digital do emulador de mestre.

Por sorte, meu espírito punk do “faça você mesmo” se rendeu, com alguma resistência, ao Visual Mythic Game Master Emulator. Do contrário, eu teria gasto mais tempo desenvolvendo uma aplicação semelhante — o que é divertido também — do que propriamente jogando.

11 de outubro de 2020

Getting Dark

Getting Dark

Em nossa primeira (e única) partida de Cthulhu Dark + Mythic, a Fernanda criou um NPC, o delegado da Polícia Civil Magnus Giordano. Quando trocamos da mecânica sem mestre para a tradicional mestre/jogador, estava claro que Magnus iria voltar à história e, por isso, resolvi desenvolvê-lo mais.

Como a Fernanda já havia definido o básico, como ocupação, idade e aparência física, recorri ao UNE (The Universal NPC Emulator) para buscar suas motivações. O resultado, para uma história na qual eu planejava incluir os tradicionais cultistas, não poderia ser mais interessante: promote the church, institute academia e assist slavery.

10 de outubro de 2020

Down the Rabbit Hole

Down the Rabbit Hole

Eu estava na entrada da toca do coelho quando passei a participar da comunidade do RPG Solo no Facebook, mas só segui o Coelho Branco buraco abaixo quando ele se apresentou como Trevor Devall e, logo na introdução do seu primeiro vídeo, explicou que iria, basicamente, mestrar para si mesmo com o auxílio de um emulador de Mestre de Jogo.

Corri atrás do tal Mythic Game Master Emulator que ele havia citado e, lendo a mecânica proposta pela Tana Pigeon, convenci a Fernanda a testá-la comigo em uma aventura de Cthulhu Dark inspirada no caso da contaminação química de uma cervejaria daqui de Belo Horizonte.

9 de outubro de 2020

Antes solo do que não acompanhado…

Antes solo do que não acompanhado…

Meu primeiro contato com o RPG Solo se deu há menos de 1 ano, quando a Skynet IA do Facebook me sugeriu — por conta dos grupos de venda de RPG, boardgames e quadrinhos que ainda justificavam a existência de uma conta minha na plataforma — a comunidade nacional sobre o tema.

Minha história no RPG, entretanto, começou há quase 30 anos, quando o hobbie começava a dar as caras por aqui oficialmente, com a notícia do lançamento de GURPS pela Devir. Essa “notícia”, por sua vez, nos direcionou à finada livraria Leitura da Savassi, de onde não saímos com uma cópia do tal jogo que nos permitiria “criar e viver uma história”, infelizmente. Quatro filhos para criar, sabe como é…