7 de janeiro de 2010

Tocando o terror na criançada

Imagino que a humanidade inventou as histórias de terror quando o homem primitivo descobriu que uma alternativa para acabar com a bagunça de seus filhos era amedrontá-los, em vez de espancá-los até a morte:

- Quem derrubou a minha coleção de pedras?
- Não fui eu!
- Eu já falei que dentro da caverna não é lugar de brincar!
- Não fui eu, pai! Foi o Uglûhk-ük!
- Mentira! Foi ele sim!
- Calem a boca, vocês dois! Ou eu...
- Ou o que, pai? Você vai bater a minha cabeça na parede, igual você fez com o Glùhk-khk?
- Não. Aquilo fez a maior sujeira e sua mãe briga comigo até hoje por causa da mancha!
- Você vai fazer o que então, pai?
- Eu vou chamar o... Eu vou chamar o Bicho-Papão para pegar vocês!
- O Bicho-Papão?!
- É!
- Quem é o Bicho-Papão, pai?
- Um bicho que vai comer vocês!
- Tipo aquele que comeu o Ukh-ükh-ghâlùkh, pai?
- Não. Aquele era outro! Se o seu irmão tivesse corrido mais rápido...
- Eu corro rápido!
- Mas ninguém consegue correr do Bicho-Papão!
- Então eu não vou mais brincar dentro de casa!
- Nem eu!