28 de maio de 2015

Descobrindo BH - Pão de Queijo

Lendário como o Lembas élfico, o Pão de Queijo é presença obrigatória em qualquer café da tarde mineiro, onde a comilança reina solta como em um banquete organizado por hobbits. Por causa dessa fama, quem mora em Belo Horizonte – ou qualquer outra cidade mineira, obviamente – certamente já ouviu a seguinte pergunta, feita por alguém que veio de fora do estado: "Onde encontro o melhor pão de queijo mineiro?". A resposta, invariavelmente, é mais ou menos assim: "Uai, minha mãe/avó/tia/etc. faz um que é muito bom!".

Minha mãe é dessas que faz um pão de queijo bem bom, e meu irmão conhece pelo menos umas duas receitas diferentes do quitute. Como não dá para abusar da boa vontade dos dois, o jeito é caçar os melhores lugares para comer pão de queijo em Belo Horizonte.

A lista com os mais interessantes (ou nem tanto) segue abaixo:

Boca do Forno

Pão de Queijo - Boca do Forno

Inaugurada em 1974 e com mais de 10 lojas espalhadas por quase todas as regiões da cidade, a Boca do Forno já é velha conhecida de muita gente. Quando novos, muitos dos seus salgados e tortas são bem bons. O mesmo, entretanto, não pode se dizer do seu pão de queijo branquelo, que até consegue ser crocante, mas aparenta não levar tanto queijo quanto deveria.

26 de maio de 2015

Dicas de Podcasts

Os três leitores desse blog devem se lembrar de quando tivemos um podcast. Por mais divertido que fosse gravar as bobagens que conversávamos, eu prefiro muito mais o papel de consumidor desse tipo de conteúdo do que o de produtor.

Há um tempo atrás, o amigo Fabiano começou uma série de posts com indicações de podcasts. Para quem já se cansou do "humor" adolescente dos podcasts de maior sucesso em Pindorama, reproduzo abaixo minhas sugestões publicadas no blog irmão Nerdmor:

Detect This!

Dicas de Podcasts - Detect This!

Para quem perdeu o hype de True Detective e pretende começar a assistir a série agora, uma boa pedida é o podcast Detect This!, da rede Film Geek Radio. A cada semana os hosts Andrew e Charlie, com eventuais convidados, comentam os acontecimentos do último episódio e dão seus palpites sobre o caso investigado por Rust Cole e Martin Hart.

19 de maio de 2015

Press Start - I Have No Mouth, And I Must Scream

Press Start - I Have No Mouth, And I Must Scream

Entre 1945 e 1989, a paranoia e a histeria da Guerra Fria levou três potências – Estados Unidos, Rússia e China – a desenvolver supercomputadores capazes de promover uma guerra global. Instaladas em complexos subterrâneos, estas máquinas tomaram conhecimento umas das outras, e uniram-se sob uma única entidade de nome AM.

Alimentados com dados de todas as guerras e atos de violência já ocorridos desde os tempos primitivos, estes supercomputadores foram programados para matar, e colocaram em prática sua diretiva principal, iniciando a Guerra Final que exterminou a humanidade e tornou o planeta inabitável para qualquer outra forma de vida orgânica.

Como um deus louco e dotado de um imenso ódio pelos seus criadores, AM aprisionou em suas entranhas os últimos sobreviventes da espécie humana – quatro homens e uma mulher – que ele mantém vivos para torturá-los em um pesadelo que já alcançou 109 anos de duração.

14 de maio de 2015

Mixtape #1


Músicas:
  1. Moke Hill - Detroit
  2. Me and the Plant - Cordillera Girl
  3. Real Estate - Talking Backwards
  4. Belle & Sebastian - Ease Your Feet in the Sea
  5. Hospitality - Eighth Avenue
  6. The Magic Numbers - Forever Lost
  7. Stereolab - L'Enfer Des Formes
  8. Benjamin Schoos ft. Laetitia Sadier - Je Ne Vois Que Vous
  9. The Whitest Boy Alive - Burning
  10. The Sea and Cake - Up On the North Shore
  11. Band of Horses - Dilly
  12. Beirut - Santa Fe
  13. Paul Weller - Cold Moments
  14. Yo La Tengo - Season of the Shark
  15. Damien Jurado - Silver Timothy
  16. Posse - Afraid

Playlist disponível também no Spotify.

11 de maio de 2015

Descobrindo BH - Sì, abbiamo il gelato

Outono é uma época bacana em Belo Horizonte, de céu quase sempre azul e um tempo meio frio e agradável, que convida a passeios pela cidade. O clima combina bem com o tradicional pão de queijo, mas se o assunto é doce, um gelato cai muito bem.

Antes de mais nada, vale lembrar: gelato é sorvete, mas nem todo sorvete é gelato. A diferença fica por conta do modo de preparo e, é claro, dos ingredientes. O sorvete tradicional leva água, e água congela. Para evitar a formação de grandes cristais de gelo, açúcar e gordura – creme de leite, por exemplo – são acrescentados à mistura.

O gelato tradicional, por levar leite em vez de água, necessita de uma quantidade menor de creme e, portanto, possui um percentual menor de gordura. Além disso, não precisa de artifícios como a adição de açúcar, para diminuir o tamanho dos cristais de gelo, e pode ser mantido a temperaturas maiores. Isso, aliado à menor quantidade de ar injetado pela baixa velocidade com a qual são batidos, garante aos gelatos uma consistência mais cremosa.

Sì, abbiamo il gelato - Alessa

Pioneira em BH, a Alessa acumula há anos o título de melhor sorvete da cidade, fruto da paixão que têm pelo que fazem e, é claro, pela ausência – até então – de concorrentes à altura. Somos clientes fiéis da gelateria há algum tempo – recomendo o Chocolate Andrea, um dos melhores – mas há quem não considere seus sorvetes premium, de qualidade inegável, autênticos gelatos.

6 de maio de 2015

Chá de VHS - Escape from Tomorrow

Chá de VHS - Escape from Tomorrow

Jim é um homem comum, casado com uma mulher comum e pai de duas crianças comuns. Como em uma comédia ruim estrelada por Ben Stiller, nada de bom acontece com ele: primeiro Jim descobre, em seu último dia de férias com a família no Disney World, que foi demitido; para piorar, o estresse parece estar drenando aos poucos sua sanidade.

Tirando a ameaça de uma gripe misteriosa que tem se espalhado pelo parque, alguns episódios de alucinação apresentados por Jim e o fato desse homem comum perseguir obsessivamente duas adolescentes francesas pelo local, o dia de passeio da família no Disney World é como outro qualquer: filas gigantescas, pessoas mal educadas, menos diversão do que a prometida e coisa e tal.

1 de maio de 2015

Descobrindo BH - Está Chovendo Hambúrguer 3

Como já deu para receber, eu não sou o Dudu, do desenho (e quadrinhos) do Popeye, mas sou fã de hambúrguer. Portanto, segue abaixo uma nova lista de lugares para comer hambúrguer em Belo Horizonte:

Dub

Está Chovendo Hambúrguer - Dub

Com uma das vistas mais interessantes e únicas da cidade, ao lado do Centro de Referência da Moda, o Dub é um pub vizinho da decepcionante unidade do Duke'n'Duke no famoso Edifício Maletta.

A casa foi aberta em julho de 2012 e tem um cardápio bem variado, com boas opções de entradas, pratos e, é claro, sanduíches. Outro ponto forte também são os drinks, mas uma água mineral sem gás já é mais do que o suficiente para nós.

Por querer variar, a Fernanda pediu o Veggie Burger, um hambúrguer vegetariano que ela gostou, mas eu provei e achei bem sem graça. Para fugir do trio tradicional carne+cheddar+bacon, eu pedi o bacanudo Pimp Burger: pão com gergelim preto, hambúrguer artesanal de 220g de carne bovina, bacon crocante, picles de cebola roxa, confit de jalapeño e requeijão de raspa, acompanhado de batatas rústicas e maionese artesanal de alho-poró.

Pelo ambiente bacana e por servir um dos melhores e mais suculentos hambúrgueres da cidade, o Dub já virou um favorito.
  • Endereço: Rua da Bahia, 1148 - Centro