6 de maio de 2015

Chá de VHS - Escape from Tomorrow

Chá de VHS - Escape from Tomorrow

Jim é um homem comum, casado com uma mulher comum e pai de duas crianças comuns. Como em uma comédia ruim estrelada por Ben Stiller, nada de bom acontece com ele: primeiro Jim descobre, em seu último dia de férias com a família no Disney World, que foi demitido; para piorar, o estresse parece estar drenando aos poucos sua sanidade.

Tirando a ameaça de uma gripe misteriosa que tem se espalhado pelo parque, alguns episódios de alucinação apresentados por Jim e o fato desse homem comum perseguir obsessivamente duas adolescentes francesas pelo local, o dia de passeio da família no Disney World é como outro qualquer: filas gigantescas, pessoas mal educadas, menos diversão do que a prometida e coisa e tal.


Escape from Tomorrow é o filme de estreia do diretor Randy Moore, e o seu maior mérito está no fato de ter sido rodado de forma clandestina nos resorts da Disney em Orlando e Anaheim. A obra pode ser encarada como uma história de terror ou uma comédia de humor negro, mas em nenhum dos casos o filme se sustenta, pois o que se vê, tirando algumas boas cenas, é apenas o registro monótono, mas às vezes psicodélico, da rotina de Jim e sua família.

Desprovido de cores, o filme se aproxima do tom documental, ao mesmo tempo que transforma o parque em um sombrio cenário expressionista. A fantasia infantil mantém-se presente, mas serve apenas de fachada para uma realidade mais absurda na qual lendas urbanas, como decapitações em brinquedos ou princesas atuando na prostituição, existem.


Embora possa ser encarado como uma crítica à infantilização cada vez maior dos adultos, há quem veja Escape from Tomorrow apenas como um registro da descida à insanidade. Qualquer que seja o caso, não se pode deixar de lado o fato do filme estar recheado de elementos que ressaltam que nem mesmo aquele mundo estéril de fantasia, onde todos deveriam estar alegres o tempo todo, está livre de frustração, paranoia, violência e sexo.

Com um final dúbio e pretensioso como os de Christopher Nolan, mas recheado de elementos Lynchianos, em que realidade e imaginação se fundem, Escape from Tomorrow peca ao tentar dar sentido à história com uma cena desnecessária de pura ficção científica, na qual Jim fica preso sob o Epcot Center. O filme também tem problemas de ritmo e alguns de ordem técnica, mas está longe de ser um filme ruim. Eu diria até que, apesar das limitações, esta obra de Randy Moore está passos a frente de porcarias super produzidas como Os Vingadores ou a nova trilodia d'O Hobbit, mas eu sou bobo, feio e chato. Portanto, não dêem atenção ao que eu escrevo.

Trailer


- Ouvindo: Stereolab - The Seeming and the Meaning

2 comentários:

Newton Nitro disse...

Eu curti pra caramba esse filme, meio trash meio arte, massavéio demais!

Gustavo Coelho disse...

Combinação perfeita para virar cult :-)