14 de dezembro de 2015

De Volta a Twin Peaks - Primeira Temporada, Episódio 7 (Season Finale)

De Volta a Twin Peaks - Primeira Temporada, Episódio 7 (Season Finale)

Twin Peaks é uma cidade pequena localizada ao norte do estado de Washington, na fronteira dos EUA com Canadá. Há uma semana, a rotina dos seus 51.201 habitantes foi virada ao avesso com a descoberta do corpo de Laura Palmer às margens do rio, enrolado em plástico.

Laura Palmer era uma garota de 17 anos que, como tantos outros na cidade, vivia uma vida dupla. Muitos conheciam seu lado de boa moça – alguns chegavam até mesmo a chamá-la de "Santa Laura", pelo seu envolvimento voluntário em programas como o Refeições Sobre Rodas, por exemplo –, mas poucos estavam familiarizados com seu histórico de vício em cocaína e envolvimento com prostituição, ambos frutos de um lado obscuro corrompido pelo mal que habita a floresta ancestral de Twin Peaks.

De uma longa lista de suspeitos, apenas dois ainda permanecem sob a mira da polícia: o traficante Jacques Renault e o violento caminhoneiro Leo Johnson, com os quais Laura esteve na noite em que foi assassinada. Um terceiro homem também pode estar envolvido no crime, mas os investigadores nada sabem a seu respeito. Seria ele BOB, o homem de cabelos brancos visto por Sarah Palmer?

Há quem possa justificar a morte de Laura Palmer em função do seu estilo de vida, mas o fato é que a jovem foi vítima de um serial killer. Por uma questão de jurisdição, a investigação do crime ficou a cargo do FBI, representado por Dale Cooper, um agente de metodologias incomuns, obcecado por café e tortas de cereja, que infiltra-se no cassino/bordel canadense One-Eyed Jack's para encontrar Jacques Renault.


Em seu prefácio para o livro The Secret Diary of Laura Palmer, Mark Frost comenta que a primeira temporada de Twin Peaks foi rodada em uma empreitada de 18 meses, sem pressão da emissora e em completo isolamento do público, pois a série ainda não havia estreado. Essa liberdade pode ser percebida no ritmo lento com o qual a história se desenrola; até mesmo as tramas mais secundárias, como a de Nadine, ganham espaço para serem desenvolvidas.

Nota-se também, na conclusão desta primeira temporada, que a influência de David Lynch vai, além da estética americana retrô, mais na linha dos elementos esotéricos e do clima onírico associados à série; a estranheza dos habitantes de Twin Peaks, por sua vez, parece mais "culpa" de Mark Frost, como pode ser visto no diálogo entre a Mulher do Tronco e Dale Cooper, no quinto episódio.


Esse season finale foi escrito e dirigido por Mark Frost. Como era de se esperar, muitos assuntos são resolvidos, mas alguns outros cliffhangers são lançados. Dizem que a estratégia de deixar muita coisa no ar foi uma isca para que a série fosse renovada, o que de fato aconteceu no dia seguinte à exibição do sétimo episódio.

Diferente dos episódios até então, neste capítulo o enredo não transcorre durante um período de aproximadamente 24 horas. A ação começa na noite do dia 2 de março de 1989, ainda no desenrolar dos eventos iniciados no episódio anterior, e segue até as primeiras horas do dia seguinte. É um curto espaço de tempo, mas este sétimo episódio tem um ritmo mais lento, que faz com que ele pareça durar mais que os outros.


Donna e James, agora dentro da casa/consultório do Dr. Jacoby, conseguem recuperar a fita K7 gravada por Laura. Na companhia de Maddy, escutam a gravação e descobrem o envolvimento da rainha do baile com um homem misterioso e perigoso. Na fita, Laura confessa que acredita que esse homem misterioso possivelmente tentou matá-la antes, mas ela conseguiu se safar; ele a excita e, por acaso, tem um Corvette vermelho, como o detestável bad boy Leo Johnson.

A operação conduzida pelo trio resulta na recuperação de uma evidência importante para o possível assassino de Laura Palmer, mas o preço cobrado ao psiquiatra é alto, pois ele é atacado por um homem misterioso, que observava Maddy à distância e em meio à escuridão. Em consequência do ataque, Jacoby sofre um enfarto e acaba hospitalizado. Só que ele não é o único a dar trabalho para o Dr. Hayward...


Cooper, ainda infiltrado no cassino do One-Eyed Jack's, consegue uma conversa particular com Jacques Renault. É visível o repúdio do agente ao que descobre sobre a orgia da qual participaram o canadense, Leo Johnson, Ronette Pulaski e Laura Palmer na noite em que ela foi assassinada, mas Dale Cooper mantém o disfarce e consegue ludibriar o traficante a cruzar novamente a fronteira.

Quando cercado pela polícia, Jacques Renault consegue tomar a arma de um policial e a aponta para o xerife Truman. A situação só não sai completamente do controle porque Andy, até então o oficial mais atrapalhado da força policial de Twin Peaks, saca sua arma e desfere um tiro no ombro do canadense, mandando-o também para o hospital, onde é interrogado oficialmente e liberado, a princípio, da lista de suspeitos do assassinato de Laura Palmer.


Leo Johnson, acostumado a acender o fogo de Laura Palmer, prepara-se – tum dum tss – para o incêndio da Serraria Packard encomendado por Benjamin Horne. De quebra, o bandidão aproveita a oportunidade para vingar-se de sua esposa, que ele sequestra e deixa amarrada no interior do depósito que será incendiado.

Tendo cumprido suas tarefas corriqueiras, Leo volta para casa e encontra Bobby Briggs. Ao deparar-se com o amante de Shelly, Leo não pensa duas vezes em tentar matá-lo a machadadas. Para alívio de Bobby, Hank Jennings atira no caminhoneiro, que é deixado à própria sorte, enquanto a metanovela Convite ao Amor mostra uma cena bem semelhante ao que acabou de acontecer. Será que Leo Johnson vai sobreviver? Merecer, não merece...


Audrey Horne, também infiltrada no One-Eyed Jack's, prepara-se para sua primeira noite de trabalho. Resignada, a espiã amadora aguarda a chegada do dono do local, que tem o hábito de "conhecer", antes de todos, as novas funcionárias. Mal sabe ela que o figurão em questão é o seu próprio pai, Benjamin Horne, que levou os barulhentos islandeses ao local, com o objetivo de lavrar o contrato de financiamento do resort Ghostwood.

Já são 4h37 quando Dale Cooper volta ao hotel, totalmente silencioso pela ausência dos islandeses. Chegando ao seu quarto, o agente atende ao telefone, que sempre toca quando ele entra, mas alguém bate à sua porta no mesmo instante. Ao abri-la, Cooper depara-se com um cano de revólver, que desfere três tiros em seu peito. Será que o agente especial do FBI morreu? Lá se vai mais um para o hospital, onde Jacques Renault acabou de ser assassinado pelo instável Leland Palmer, em vingança pela morte da filha.


O episódio final da primeira temporada de Twin Peaks ainda deixa no ar outros cliffhangers, como a tentativa de suicídio de Nadine e a possível morte de Shelly e Catherine Martell no incêndio da serraria. É um final de muitos dramas, digno das mais trágicas novelas mexicanas, com bastante impacto para quem assiste à série pela primeira vez. Para quem já conhece o que acontece a seguir, é um episódio consistente, o único dirigido por Mark Frost, que não consegue rivalizar com o clima de tensão do anterior, do qual é continuação imediata.

- Ouvindo: Sharon Van Etten - Taking Chances

Nenhum comentário: